000 01798nam a22002297a 4500
999 _c66868
_d66868
003 brsbdbp
005 20211023080252.0
007 ta
008 141217s2014 bl |||gr|||| 00| f por d
020 _a9788502225640
040 _abrsbdbp
_bpor
082 0 4 _222
_a869.935
_bC988fr
100 1 _916250
_aCury, Augusto,
_d1958-
_eAutor principal
245 1 0 _aFelicidade roubada /
_cAugusto Cury.
250 _a1. ed.
260 _aSão Paulo :
_bSaraiva,
_c2014.
_919257
300 _a189 p. ;
_c23 cm.
520 _aE se de repente você perdesse a capacidade de fazer aquilo que dá sentido à sua vida? E se fosse paralisado por seus medos? Alan de Alcântara é um bem-sucedido neurocirurgião que dedica grande parte de seu tempo à medicina. Cético e pragmático, não reconhece qualquer sinal de fraqueza em si e tem dificuldade em lidar com pessoas lentas. Sua vida profissional suga toda a sua energia, e, apesar de amar sua esperta filha Lucila e sua adorável esposa Claudia, mal convive com elas. Pensa que o amor é algo incondicional e não precisa de cuidado... Durante uma cirurgia, no entanto, Alan é acometido por uma crise de pânico e não é capaz de terminar o procedimento, deixando a responsabilidade para seu auxiliar. Ele pensa estar sofrendo um ataque cardíaco, e não admite o diagnóstico: transtorno psíquico. Em hipótese alguma, seu mal-estar poderia ter origem emocional. Isso é para fracos, acredita o médico. Alan verá suas certezas desmoronarem diante da doença ¿ que irá significar, em última instância, uma oportunidade rara de ele se reconstruir como ser humano.
_cFonte pesquisada: www.amazon.com.br
650 0 0 _98733
_aFelicidade
_2Vocabulário Controlado Básico
650 0 7 _aRomance brasileiro
_2Vocabulário Controlado Básico
_928
942 _cBK